Porque temos poucos estudantes e muitos alunos no Brasil

Ser estudante e aluno não seriam a mesma coisa?

O fato é que um estudante pode ser um aluno, mas nem todo aluno pode ser um estudante. Isso porque aluno é aquele que simplesmente assiste aulas, sentado numa cadeira com um professor na sala de aula passando conteúdo.

Pode parecer que estuda por causa da presença física.

Agora o estudante é aquele que depois da aula ou sendo autodidata, revisa o conteúdo da aula sozinho entende e memoriza a matéria no mesmo dia.

Resumindo: o aluno é passivo e assiste aulas em grupo, enquanto o estudante é ativo e revisa e memoriza os conteúdos sozinho.

 

“Se o aluno tira boas notas, qual o problema nisso? Não é isso que importa?”

O aluno sempre estuda no dia anterior da prova e de fato acaba indo bem. Só que depois de um tempo ele esquece o que foi passado.

E aí é que está o grande problema no sistema de ensino brasileiro e de outros países.

No vestibular e em concursos não é possível usar o mesmo esquema de estudar dias antes!

Para os estudantes não existe problema algum em prestar concursos porque eles não precisam estudar em cima da hora. Isso porque todo o conhecimento foi armazenado na memória de longo prazo.

 

Mas como armazenar tudo na memória de longo prazo?

maquina_cerebro

Isso é bem simples: basta o aluno que assistiu a aula no mesmo dia revisar em casa o que foi passado.

Em poucos minutos ele pode fazer com que todo conteúdo que fica na memória de curto prazo passe a ser sedimentado a ponto de ele não esquecer mais.

Se o aluno assiste aula de manhã, deve estudar à tarde. Se assiste aula à tarde, deve revisar à noite. E se ele assiste aula à noite…

… deve revisar as matérias antes de dormir!

As outras condições são que além de ler, faça exercícios ou resumos para fixar na mente as informações.

E durante uma boa noite de sono, as informações que o estudante revisou passam da memória de curta duração para a de longa duração.

Estudar para prova e em cima da hora é um dos maus hábitos que diminuem a qualidade do ensino. Outra coisa que talvez até seja até pior é a falta da leitura.

 

A importância do prazer da leitura de livros

Se você perguntar para as pessoas à sua volta quantos livros elas leram na vida, a resposta muitas vezes é: “Não tenho tempo para isso.” ou “Só leio jornais e coisas na internet.”

Mas no caso de filmes, novelas e jogos de futebol, elas assistiram tantos que perderam as contas.

O estudante que não lê está em séria desvantagem, pois pouca leitura implica em uma pior capacidade de escrever uma boa redação sem erros.

Outro problema é a capacidade de interpretação de textos. Na própria internet vemos pessoas se digladiando em comentários por causa de uma simples falta de atenção e interpretação errada do contexto.

Se a pessoa ler muitos livros numa determinada área, acaba se tornando um expert por tabela. Ainda mais se o assunto é agradável e prazeroso para ela.

 

Como ter mais tempo para estudar

Hoje com a correria e o ritmo acelerado do dia a dia, fica cada vez mais difícil encontrar tempo para estudar.

O tempo vai ficando menor, ao passo que a quantidade de informações vai aumentando em grande escala.

Os concorrentes mais fortes em um concurso são aqueles que tem capacidade de estudar com mais eficiência.

A chave para atingir esse nível vem de técnicas e estratégias que poucos utilizam e não são reveladas para o público em geral.

O problema na verdade, não é ter mais tempo e sim aproveitar melhor o (pouco) tempo disponível!

 

Otimizando o tempo disponível

Saber exatamente o que não estudar já faz uma enorme diferença, diminuindo consideravelmente a quantidade de informação.

Outro fator vital é o foco. Concentrar nos pontos principais e não se distrair, aumenta a retenção na memória de longo prazo.

Fazer pausas programadas vai evitar que o estudante sinta fadiga e perda de performance. Ao contrário do que muitos imaginam, estudar sem parar durante horas seguidas pode ser prejudicial.

Montar um cronograma e criar uma rotina de estudos diária vai criar a consistência.

A consistência de estudar pouco mas todos os dias, é como o efeito de gotas caindo em um balde. Eventualmente ele acaba enchendo e transbordando…

Resumindo, a preparação adequada e a estratégia de longo prazo, vão gerar as condições para o candidato ter maiores chances de aprovação.

 

técnicas de estudo para concursos públicos

 

VOLTAR AO INÍCIO

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *